Teste Domiciliar

Como Funciona o Teste Domiciliar.

Teste Domiciliar com a Família

A empresa que faz teste domiciliar sistemático (indiscriminadamente, para todos) tem alguns problemas que o cliente deve avaliar, de como eles são resolvidos:

a. A grande quantidade de aparelhos cedidos para testes e não comprados são desprezados ou são repassados para algum comprador? Essa quantidade não é desprezível, se feito a todos.

b. A empresa que faz teste sistemático pode te dizer que só monta aparelhos novos para os testes domiciliares, porque você pode optar em comprá-los. Esta é uma afirmação sem sustentação. Pois, se os aparelhos são caros, como eles podem desprezar os aparelhos utilizados para testes e não comprados?

c. Os aparelhos de testes domiciliares não são menos sensíveis que os aparelhos definitivos. Portanto, deve sofrer uma redução na vida útil, por manuseio e até por desgaste.

d. Se a empresa disser que descarta estes aparelhos, significa que aqueles que comprarem aparelhos, teriam de arcar com os custos dos aparelhos descartados.

e. Se a empresa reutilizar componentes destes aparelhos de testes, a assistência técnica seria de aparelhos usados.

f. O teste domiciliar coloca um ou dois aparelhos auditivos na mão de usuários que, muitas vezes, não têm habilidade no manuseio. Isto por si é risco para danificar algo ou até de perda, por ser muito pequeno e frágil.

g. Se os aparelhos de testes forem vendidos, os “sorteados” seriam os que compram nesta empresa. Os que não compram nesta empresa não correm os riscos.

O teste domiciliar é uma política de cada empresa. É uma prática comum entre empresas que têm pouco critério ou pouco trabalho na análise de avaliação da situação aparelho-usuário. Quando uma pessoa passa pela avaliação e exames , já poderia detectar casos mais difíceis. Mas, para a maior parte deles, o benefício é certo. Os casos duvidosos são de uma parcela ínfima.

Como o custo de fazer o teste domiciliar é alto, muitas empresas cobram alguma coisa, se não comprar. Se o valor for muito baixo, é apenas simbólico e não muda as circunstâncias.

O problema desse processo de empréstimo para teste domiciliar é o reflexo no custo para os clientes que compram. Pois, os clientes que testam e não compram os aparelhos ficam “na vantagem”, se o teste for barato ou “gratuito”. Os clientes que compram é que sustentam os prejuízos provocados pelos que não compram.

Uma prática comum para compensar é repassar para o custo da assistência técnica. Como os aparelhos ficam “amarrados” à empresa que o vende, ela pode “descontar” os altos custos dos testes domiciliares não vendidos, no momento dos consertos. Neste caso, tem empresas que chegam a cobrar bem mais de R$1.000, por conserto, dependendo da peça.

Qual é a prática mais inteligente para todas as partes?

1. A empresa deveria fazer o teste domiciliar apenas para casos de benefício ou adaptação duvidosa. As situações em que o Fonoaudiólogo suspeitar inviabilidade ou benefício duvidoso, a empresa deveria solicitar para o usuário fazer um teste domiciliar de uma semana a um mês, independe de o usuário pedir este procedimento. Testes de uma semana são inadequados para uma boa decisão em casos duvidosos. Os casos em que se confirma com alguns dias, nem precisaria de teste, porque é um caso óbvio; e, apenas incorre-se em aumento de custo.

2. Os exames devem acompanhar entrevistas e testes com um ou mais aparelhos para avaliar o resultado de uma protetização. A boa qualidade desse processo confere um aumento importante na assertividade do sucesso, ou não, da adaptação.

3. O teste domiciliar deve ser pago, caso não se compre, para que outros usuários não arquem com o custo das desistências. Com isto, a quantidade de testes se reduz drasticamente. E, faz com que os poucos aparelhos de testes possam ser mantidos sempre como testes, sem onerar ninguém.

Esta política de testes domiciliares permite que se aplique de forma seletiva, para quem precisa. E, os custos se mantêm mais baixos, permitindo que a empresa possa atuar no mercado de forma mais competitiva, favorecendo todos os usuários.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!




 

*